A BANALIZAÇÃO DA SAGRADA COMUNHÃO

A BANALIZAÇÃO DA SAGRADA COMUNHÃO

 

A MUDANÇA DA PRÁXIS RELATIVA À RECEPÇÃO DA SAGRADA COMUNHÃO

Por Padre José Eduardo

Até o século XIX, os critérios para comungar eram doutrinalmente tão exigentes que, na prática, poucas pessoas comungavam.

Considerava-se que, para além de uma preparação que eu chamaria de negativa — o fiel não deveria ter consciência de nenhum pecado grave –, era necessária uma cuidadosa preparação positiva: jejum eucarístico desde a meia noite, asseio e modéstia pessoais muito mais salientados que o normal, oração fervorosa com a repetição de inúmeros atos de fé, esperança, adoração, humildade, caridade etc. No dia-a-dia, as pessoas comungavam raramente, somente depois de se confessarem e fora da Santa Missa.

Essa prática era tão consagrada, que Santa Teresa foi considerada suspeita de heresia porque desejava comungar todos os domingos.

A propósito, o Concílio de Trento deixou muito clara a distinção entre o rito da Santa Missa (com a comunhão do sacerdote) e o rito da Santa Comunhão dos fieis, para salvar a Igreja do erro protestante de se considerar a Missa como somente uma Ceia e, portanto, a Comunhão como o momento essencial da ação litúrgica (e não a consagração).

Os santos sempre sofreram com essa dificuldade em receber o Santíssimo Sacramento, a tal ponto que a própria Santa Teresinha do Menino Jesus chegou a dizer que, quando chegasse ao céu, a primeira coisa que pediria a Deus seria a “comunhão diária” para toda a Igreja.

De fato, ela morreu em 1897 e, em 1903, foi eleito o grande São Pio X, que, em 1905, escreveu o Decreto “Sacra Tridentina Synodos”, oferecendo a todos os fieis a possibilidade de comungarem diariamente.

Isso foi uma grande graça! Um tremendo prodígio!

Contudo, a recepção diária não servia para afrouxar as exigências de uma preparação negativa e positiva para comungar. Antes, era instrumento para difusão de maior santidade na Igreja.
Aconteceu, porém, que, com o passar do tempo, a disciplina se foi afrouxando e, de uma condição em que o fiel se sentia “PROIBIDO DE COMUNGAR”, passou-se a uma condição em que os fieis passaram a se sentir no “DIREITO DE COMUNGAR”: bastaria não ter um pecado grave na consciência que já se sentiriam aptos para aceder ao “sacrum convivium”, sem maiores exigências.

Foi uma mudança de 180 graus, já foi uma queda!, mas ainda num quadro em que as pessoas se viam obrigadas a confessar, caso houvesse consciência de pecado mortal.

A situação foi se alterando, porém.

E, há algumas décadas, chegamos ao estado em que os fieis se sentem no “DEVER DE COMUNGAR”, como se a não recepção da comunhão fosse em si mesma um pecado. Esse dever, aliás, não é imputado apenas ao leigo, mas também à Igreja: parece que a única forma de inclusão é dar a comunhão, e ninguém possa ser privado desse sacramento, inclusive pelo próprio bem de sua alma. Não só o fiel teria o dever de comungar, mas o padre teria o dever de dar a comunhão a quem quer que seja!

Hoje, as pessoas se confessam de terem ido à Missa e não terem comungado; ou de não terem ido à Missa por não poderem comungar; ou de terem comungado em pecado grave com a intenção de depois se confessarem, porque se sentiam no dever de fazê-lo ou tinham “necessidade”QUANTA CONFUSÃO DOUTRINAL E QUANTO SACRILÉGIO!

A doutrina da Igreja é clara, e não preciso aqui explicá-la. Para comungar, é preciso ter a consciência livre de qualquer pecado grave e estar fervorosamente em pelo menos uma hora de jejum e oração, aguardando a chegada do Senhor na alma!

Na práxis pastoral hodierna, não é que mudamos 180 graus, isso já é coisa do passado! Conseguimos a “proeza” de ainda dar uma cambalhota para outros 180 graus, e parece-me que perdemos o caminho de volta.

Viva a Sagrada Comunhão diária!, mas recebida com as devidas disposições, com aquele espírito sintetizado pelo Apóstolo das Gentes: “aquele que comunga sem distinguir o corpo do Senhor, comunga a sua própria condenação. Esta é a razão por que entre vós há muitos adoentados e fracos, e muitos mortos” (1Cor 11,29-30).

Não seria essa banalidade com que tratamos a Sacratíssima Eucaristia a razão de tanta falta de firmeza na fé, de tanta apostasia, de tanta irreligião, de tanto abandono de Deus e de sua Lei?

pecado mortal - Final

Vai a seguir, publicado um artigo do Sr. Cônego Antonio M. da Cruz (arquidiocese de Juiz de Fora, MG), experimentado pastor, cujas ponderações merecem atenção, pois abordam problemas que freqüentemente são comentados em ambientes pastorais. – Ao sr. Cônego A. da Cruz seja consignada a gratidão de PR pela valiosa colaboração.

BANALIZAÇÃO DA COMUNHÃO

“A partir da publicação da instrução `Memoriale Domini’, portanto, de há três anos para cá, algumas Conferências Episcopais pediram à Santa Sé para permitir que os ministros da Sagrada Comunhão, quando distribuem estas aos fiéis, possam depor as Espécies Eucarísticas nas mãos dos mesmos fiéis”. Assim se inicia a quarta parte da Instrução “Immensae Caritatis”, da Sagrada Congregação para o Culto Divino, de 29/01/73. Por sua vez a Instrução `Inaestimabile Donum” de 03/04/80, da mesma Sagrada Congregação, diz no n° 11: “Quanto ao modo de se apresentar à Comunhão, esta pode ser recebida pelos fiéis tanto de joelhos como de pé, de acordo com as normas estabelecidas pela Conferência Episcopal”.

O modo de o fiel comungar de pé está autorizado também pela Nova Instrução sobre o Missal Romano, que diz no n° 160, conforme nos informa o liturgista Frei Alberto Beckhãuser, OFM, em seu recente livro “Novas Mudanças na Missa”: “Os fiéis comungam ajoelhados ou de pé, conforme for estabelecido pela Conferência dos Bispos”. Quanto à comunhão recebida na mão ou diretamente na boca, a Notificação da Sagrada Congregação para o Culto Divino, de 03/04/85 diz: “Os fiéis jamais serão obrigados a adotara prática da Comunhão na mão; ao contrário, ficarão plenamente livres para comungar de um ou de outro modo”, isto é, recebendo a sagrada Eucaristia na mão ou diretamente na boca. Com base, portanto, em documentos da Sagrada Congregação para o culto Divino, ficou praticamente instituída a comunhão em forma processional, de pé e recebida na mão. A comunhão recebida dessa maneira tem sem dúvida seu significado e seu simbolismo. Seus efeitos, porém, foram desastrosos, como veremos a seguir.

A comunhão feita em fila, de pé e recebida na mão produziu uma sensível banalização da mesma a partir da década de 70, o que resultou em um rápido aumento do número de comunhões e também, como fruto da mesma banalização, um notável decréscimo do número de confissões, produzindo-se assim uma falsa convicção de que afinal não seria necessário ter tanta preocupação com o estado da alma, se em estado de graça ou não, para receber a Eucaristia e que bastaria “se confessar com Deus“. Preocupado com essa situação o então bispo de Petrópolis, Dom Manuel Pedro da Cunha Cintra, emitiu na época uma circular denominada “Comungar dignamente”.

O principal inconveniente causado pela comunhão feita em forma processional e recebida na mão e de pé é o caso de pessoas que, divorciadas e recasadas ou casadas com divorciados, se apresentam para receber a Eucaristia. Segundo comentários que se ouvem freqüentemente, isso dá a convicção de que pelo menos nas Missas dominicais de maior afluência sempre haverá uma ou mais comunhões feitas indevidamente. Outras pessoas não cumprem o preceito dominical, mas vêm à Missa de vez em quando e fazem a comunhão com o pecado de não terem cumprido aquele preceito. Outras, ainda (inclusive, embora raramente, bêbados) entram na fila porque outras pessoas entraram e às vezes nem sabem como receber a comunhão na mão, dando a nítida impressão de não estarem em condições de recebê-Ia. Outra conseqüência da banalização da comunhão é o fato de entrarem na fila pessoas com vestes reduzidas, com evidente falta de respeito para com o Ssmo. Sacramento. Há também o perigo de pessoas que, virando as costas com a partícula sagrada na mão, possam ocultá-la para ser levada para finalidades sacrílegas. Não só a comunhão de pé e recebida na mão produz os inconvenientes acima referidos, mas a própria forma processional de receber a comunhão de pé e na mão faz com que a pessoa seja menos notada e facilitada assim a comunhão indevida.

Concorre também um pouco para a banalização da comunhão, a meu ver, a comunhão feita com as próprias mãos, por parte de “ministros” que se acham no presbitério, molhando a sagrada partícula no Preciosíssimo Sangue, como se fossem concelebrantes, o que é expressamente reprovado pela Instrução Interdicasterial da Santa Sé, de 15/8/97 (art. 8°, parágrafo 2), e ainda a distribuição da comunhão por ministros leigos quando o número de comungantes não “é tão elevado que o obrigaria a prolongar excessivamente o tempo da celebração da Missa”, condição posta pela Instrução “Immensae Caritatis”, acima citada, para que o ministro leigo possa exercer sua função, o que é igualmente exigido pela mesma Instrução Interdicasterial acima referida (art. 8°, parágrafo 2°). Por tudo isso o ideal é que, a meu ver, a fila fosse abolida pela CNBB e até pela Santa Sé, e que os comungantes se ajoelhassem um ao lado do outro no primeiro degrau do presbitério, o sacerdote com os ministros leigos iriam passando e dando a comunhão. Tenho a convicção de que dessa forma o número de comunhões feitas sem as disposições necessárias diminuiria bastante. (Todas as vezes que falo sobre essas disposições necessárias para comungar dignamente, noto uma diminuição do número de comunhões).

Alguém poderia objetar que, sendo a Eucaristia um sacramento em forma de alimento, não deveria ser recebida de joelhos porque ninguém se alimenta ajoelhado. Essa comparação não se rege porque também ninguém se alimenta de pé, mas sentado, nem que seja de cócoras, como fazem os bóias-frias. A questão é preservar a honra e o respeito devidos ao Ssmo. Sacramento e prevenir, enquanto possível, as comunhões feitas sem as necessárias disposições. Aliás, quando eu era pároco, percebendo os inconvenientes da fila, pedi que os comungantes ficassem um ao lado do outro, embora de pé. Se naquela ocasião eu tivesse tido a oportunidade de adquirir a Instrução “Inaestimabile Donurn”, da Sagrada Congregação para o Culto Divino, de 3/4/80, teria pedido também aos fiéis que se ajoelhassem para fazer a comunhão. Pelos motivos aqui apontados, há grupos de leigos que preconizam a comunhão dessa forma, o que aliás é mais piedoso e respeitoso para com o Ssmo. Sacramento. É claro que em grandes concentrações, principalmente ao ar livre, a comunhão de joelhos não seria possível. Por outro lado, se o sacerdote fizer questão, embora indevidamente, de só dar a comunhão na mão, na prática é necessário obedecer.

Uma vez eu estava hospedado em uma casa paroquial e o pároco teve que se ausentar. Viria outro sacerdote celebrar uma Santa Missa de formatura. No sacrário havia uma âmbula contendo hóstias até a meta de. Pensei comigo: “Em missa de formatura poucas pessoas comungam”; e não providenciei outro cibório. Ledo engano: Na hora da comunhão, estando a Igreja repleta, quase todo mundo entrou na fila. Há pessoas que em uma ocasião como essa acham que é chique comungar! Quando até pouco após o Concílio a comunhão era feita de joelhos, quem não tinha um mínimo de piedade não se aproximava para fazê-la. É verdade que comunhões sacrílegas sempre houve, mas não tanto como atualmente, ao que tudo indica. São Paulo, na 1á Carta aos Coríntios, já lamentava isso.

D. Estevão Bettencourt, osb – Revista: “PERGUNTE E RESPONDEREMOS” – Nº 490 – Ano 2003 – p. 187

Deslize para ver mais...

Veja Também:

UM SUÍCIDA ESTÁ CONDENADO?
UM SUÍCIDA ESTÁ CONDENADO?

Antigamente se pensava que sim, embora a Igreja nunca tenha ensinado isso oficialmente; pois ela nunca disse o nome de um condenado. Hoje, com a ajuda da psicologia e psiquiatria, sabemos que a culpa do suicida pode ser muito diminuída devido a seu estado de alma. O Catecismo da Igreja Católica ensina que: §2280 Cada

SOBRE A NECESSIDADE DE FUGIR DAS OCASIÕES DE PECADO.
SOBRE A NECESSIDADE DE FUGIR DAS OCASIÕES DE PECADO.

Um sem número de cristãos se perde por não querer evitar as ocasiões de pecado. Quantas almas lá no inferno não se lastimam e queixam: Infeliz de mim! Se tivesse evitado aquela ocasião, não estaria agora condenado por toda a eternidade! Falando aqui da ocasião de pecado, temos em vista a ocasião próxima, pois deve-se distinguir

A VISÃO DO INFERNO, MOSTRADA AOS PASTORINHOS
A VISÃO DO INFERNO, MOSTRADA AOS PASTORINHOS

A VISÃO DO INFERNO, MOSTRADA AOS PASTORINHOS Das memórias da irmã Lúcia: “Momentos depois de termos chegado à Cova de Iria, junto da carrasqueira, entre numerosa multidão de povo, estando a rezar o terço, vimos o reflexo da costumada luz e, em seguida, Nossa Senhora sobre a carrasqueira. – Vossemecê que me quer? – perguntei.

DOMINGO,DIA DO SENHOR
DOMINGO,DIA DO SENHOR

(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({}); Domingo é o Dia do Senhor! São João Maria Vianey dizia: “Um domingo sem Missa é uma semana sem Deus“. A nossa fé nos agrega numa grande família, que é a Igreja, onde colocamos em prática nossa fé. Na igreja recebemos o suporte necessário para crescer na formação humana, na espiritualidade e em todos os tesouros sacramentais para nossa salvação.

A EXISTÊNCIA DO DEMÔNIO
A EXISTÊNCIA DO DEMÔNIO

Declarou o Papa São Félix III: “Não se opor a um erro é aprová-lo. Não defender a verdade é suprimi-la”. Em uma recente entrevista ao jornal espanhol ‘El Mundo’, o Padre Arturo Sosa assinalou que “fizemos figuras simbólicas, como o diabo, para expressar o mal”. Recordemos, que o IV Concílio Ecumênico Lateranense, em 1215, declarou

DOUTRINA CATÓLICA X DOUTRINA DA CNBB – PORTE DE ARMAS
DOUTRINA CATÓLICA X DOUTRINA DA CNBB – PORTE DE ARMAS

DOUTRINA CATÓLICA X DOUTRINA DA CNBB Quando é que o povo católico vai compreender que o ensinamento da CNBB não corresponde a doutrina católica? A CNBB (PT) diz: “Temos que apoiar o desarmamento da população, pois armas geram violência… Não podemos apoiar candidados (Bolsonaro) que são a favor das armas…” O CATECISMO DA IGREJA CATÓLICA

Estamos obrigados a amar os nossos inimigos?
Estamos obrigados a amar os nossos inimigos?

Sempre ao falarmos sobre os pecados graves, isto é, aqueles que nos tiram da graça de Deus, logo pensamos nos pecados contra a pureza, no descumprimento dos preceitos e na maioria das vezes esquecemo-nos que o maior dos mandamentos é o amor a Deus, ao próximo e a nós mesmos. Mas no que consiste este

QUARTA-FEIRA DE CINZAS
QUARTA-FEIRA DE CINZAS

No próximo dia 1º de março, a Igreja celebra a Quarta-feira de Cinzas, dando início à Quaresma, tempo de preparação para a Páscoa. Recordamos algumas coisas essenciais que todo católico precisa saber para poder viver intensamente este tempo. 1. O que é a Quarta-feira de Cinzas? É o primeiro dia da Quaresma, ou seja, dos

Guardar domingos e festas de guarda – Lista dos dias santos de obrigação do catolicismo
Guardar domingos e festas de guarda – Lista dos dias santos de obrigação do catolicismo

Lista dos dias santos de obrigação do catolicismo Baseando-se no terceiro mandamento da Lei de Deus (guardar os domingos e festas de guarda), a Igreja Católica estipula que todos os católicos são obrigados a irem à missa em todos os domingos e festas de guarda. Por isso, está obrigatoriamente nos Cinco Mandamentos da Igreja Católica.

Ainda há espaço para o “SILÊNCIO” na Santa Missa?
Ainda há espaço para o “SILÊNCIO” na Santa Missa?

Ainda há espaço para o “SILÊNCIO” na Santa Missa? “Atualmente também deveria ser redescoberta e valorizada a obediência às normas litúrgicas como reflexo e testemunho da igreja, una e universal, que se torna presente em cada celebração da eucaristia. O sacerdote, que celebra fielmente a missa segundo as normas litúrgicas, e a comunidade, que às