Estamos obrigados a amar os nossos inimigos?

Estamos obrigados a amar os nossos inimigos?

Sempre ao falarmos sobre os pecados graves, isto é, aqueles que nos tiram da graça de Deus, logo pensamos nos pecados contra a pureza, no descumprimento dos preceitos e na maioria das vezes esquecemo-nos que o maior dos mandamentos é o amor a Deus, ao próximo e a nós mesmos.

Mas no que consiste este amor? Atos interiores de benevolência e compaixão? Preces e súplicas por aqueles que amamos e também por aqueles que nos querem mal? Temos nós o direito de demonstrar mais estima e amor aqueles que nos querem bem e, de certa forma, ser menos benevolentes aos que nós querem mal?

Santo Afonso Maria de Ligório responde:

É certo que os inimigos devem de algum modo ser amados, já que são próximos. É a sentença de Santo Tomás e, com ele, comumente a de todos. Mas pergunta-se sobre o modo, e se pode-se ter ódio do inimigo. Respondo primeiro que qualquer homem, pelo menos o particular, é obrigado a exibir ao próximo, mesmo ao inimigo, sinais comuns de amor e benefício, por preceito. É obrigado a exibir sinais especiais, porém, apenas por conselho, a não ser que, de outra origem, surja uma razão de obrigação. Esta é a sentença comum que, com Laymann, procede de Santo Tomás. Digo sinais comuns, que são aqueles que, segundo Caetano, são devidos por um cristão a qualquer outro cristão em geral, a um cidadão por outro cidadão, a um parente por outro parente.

E consiste em pecado mortal negar estes benefícios aos nossos inimigos?

Negar estes sinais significa vingar uma injúria, o que não é lícito para nenhum particular.

E se não fazemos isso por amor desinteressado, por gratidão a Deus e reconhecimento de nossas misérias, afirma o Santo Doutor que tal gesto seria uma declaração externa de ódio:

Digo também, a não ser que de outra origem surja uma razão de obrigação, a qual seria, por exemplo, o temor do escândalo devido à omissão, a esperança da salvação do inimigo, uma necessidade temporal ou espiritual, a deprecação da culpa e a exibição de sinais especiais de amor. A razão é que, nestes casos, a negligência destes sinais especiais seria uma declaração externa de ódio.

Sobre as orações, convivência e benevolência acrescenta Afonso:

Não é lícito também excluir o inimigo das orações comuns, por exemplo, a oração do Pai Nosso, e aquelas que são instituídas em favor da comunidade, nem das esmolas comuns, das respostas às saudações, das respostas às perguntas, da venda das mercadorias expostas, porque todas estas coisas são sinais comuns de amor. Por isto agir contra isto, como por exemplo, convidar todos os parentes, ou todos os conhecidos das vizinhanças ou do colégio e saudá-los como de costume, excluindo somente ao inimigo, é regularmente em seu gênero pecado mortal.

Instruídos claramente pelo Santo Doutor Afonso de Ligório, examinemos nossa consciência e, antes da próxima comunhão, procuremos nos reconciliar com nossos próximos para dar o amor que devemos a eles, consequentemente amando a Deus que, por grande amor por nós, nós oferece seu perdão mesmo que o traíamos milhares de vezes.

Fonte: Teologia Moral, Livro II, Tratado III, Capítulo II, Dúvida II, Santo Afonso de Ligório.

Deslize para ver mais...

Veja Também:

O Santo Rosário é a maior devoção depois da Santa Missa.
O Santo Rosário é a maior devoção depois da Santa Missa.

O Rosário é a Melhor das devoções, depois da Santa Missa. Isso quem diz é São Luís Maria de Montfort: “O Rosário completo é, pois, uma grande coroa de rosas e o Terço de cinco dezenas é uma pequena coroa de flores ou uma pequena coroa de rosas celestiais que colocamos nas cabeças de JESUS e Maria. A rosa

Ladainha da Humildade – mais que uma oração, um modelo de vida
Ladainha da Humildade – mais que uma oração, um modelo de vida

A humildade é a mãe de todas as virtudes. Reze conosco esta magnifica oração que nos relembra sobre os diversos aspectos em que podemos exercitar a humildade em nossas vidas. Esta oração foi composta pelo Cardeal Merry del Val, secretário do Estado do Vaticano durante o pontificado de São Pio X. Ladainha da Humildade Senhor,

A VERDADE E O ERRO, NÃO ESTÃO EM PÉ DE IGUALDADE
A VERDADE E O ERRO, NÃO ESTÃO EM PÉ DE IGUALDADE

Diz sua Santidade, o Papa Leão XIII: “Tolerar que todas as religiões são iguais, é o mesmo que ateísmo”. Lemos em Apocalipse: “Toda a Terra se maravilhou após a besta, e adoraram o dragão, porque deu a sua autoridade à besta. Adoraram a besta, dizendo: “Quem há semelhante à besta, e quem pode pelejar contra ela?”. Vi, então, outra fera subir da Terra. Tinha dois chifres como um cordeiro, mas falava como um dragão. Ela exercia todo o poder da primeira fera, sob a vigilância desta, e fez com que a Terra e os seus habitantes adorassem a primeira fera” – (apocalipse 13).

QUATRO GRAVÍSSIMAS CONSEQUÊNCIAS DA COMUNHÃO NA MÃO
QUATRO GRAVÍSSIMAS CONSEQUÊNCIAS DA COMUNHÃO NA MÃO

Quatro GRAVÍSSIMAS consequências da comunhão na mão O Bispo Athanasius Schneider da uma simples e esclarecedora explicação sobre a comunhão na mão, e cita quatro GRAVÍSSIMAS consequências dessa forma de comungar. O vídeo dispensa explicações devido a clareza do bispo. Se o fiel está em estado de graça, sem pecados mortais, ele pode comungar, e

TORNEI-ME, ACASO, VOSSO INIMIGO, PORQUE VOS DISSE A VERDADE?
TORNEI-ME, ACASO, VOSSO INIMIGO, PORQUE VOS DISSE A VERDADE?

(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({}); Disse certa vez, um dos maiores Santos e Doutores da Igreja, o Grande Santo Atanásio: “Se o mundo for contra a Verdade, então Atanásio será contra o mundo”. Ora, o que é a Verdade? Nosso Senhor Jesus Cristo!! pois Ele mesmo disse: “Eu sou o caminho, a Verdade e a Vida…”. Santo Ângelo, um dos mais importantes santos na Ordem do Carmo, enquanto estava no deserto, por um período de cinco anos, em que viveu totalmente solitário, recebeu a seguinte revelação de Nosso Senhor:

DO APEGO DESORDENADO AOS PARENTES. (Sto Afonso Maria de Ligório)
DO APEGO DESORDENADO AOS PARENTES. (Sto Afonso Maria de Ligório)

Aquele que se entrega a Deus já não se pertence. Deixa de existir aos seus próprios olhos, não vive em si mesmo, mas nAquele a quem se entregou, e não tem outros interesses a não ser os do Mestre. Esquecer-se de si próprio, por amor, eis a grande lei de toda a vida espiritual. Esquecer-se

O SOFRIMENTO: MATÉRIA PRIMA DE NOSSA SALVAÇÃO
O SOFRIMENTO: MATÉRIA PRIMA DE NOSSA SALVAÇÃO

Diz Santo Afonso Maria de Ligório: “Quando se tem nas mãos o Crucifixo, já não se quer descer da cruz. Quem contempla as chagas de Jesus esquece as próprias feridas”. Sentimos em nossa carne, que a conquista da santidade é algo que supera as nossas forças humanas, por isso os santos parecem aos nossos olhos

A BANALIZAÇÃO DA SAGRADA COMUNHÃO
A BANALIZAÇÃO DA SAGRADA COMUNHÃO

  A MUDANÇA DA PRÁXIS RELATIVA À RECEPÇÃO DA SAGRADA COMUNHÃO Por Padre José Eduardo Até o século XIX, os critérios para comungar eram doutrinalmente tão exigentes que, na prática, poucas pessoas comungavam. Considerava-se que, para além de uma preparação que eu chamaria de negativa — o fiel não deveria ter consciência de nenhum pecado

A diferença entre Catolicismo e Espiritismo
A diferença entre Catolicismo e Espiritismo

Pode um cristão ser espírita ou umbandista? O espiritismo nega 40 verdades essenciais da doutrina cristã; ensina reencarnação; afirma a aparição dos espíritos do além, evocados pelos médiuns, e ensina muitas outras heresias opostas à doutrina cristã, negando principalmente o poder salvador de Jesus Cristo. Falando mesmo de Santos, de caridade, de oração e boas

JÁ OUVIU FALAR EM “JOELHOFOBIA”?
JÁ OUVIU FALAR EM “JOELHOFOBIA”?

“Joelhofobia” No simbolismo litúrgico oficial da Santa Igreja Católica Apostólica Romana, o ato de ajoelhar é o mais significativo gesto corporal de adoração à Nosso Senhor Jesus Cristo, Presente Verdadeiramente no Santíssimo Sacramento do Altar em Corpo, Sangue, Alma e Divindade (Catecismo da Igreja Católica, 1373-1381). Tenho escutado, entretanto, repetidos relatos de situações que fiéis