NÃO SOIS INOCENTES DIANTE DE VOSSAS OMISSÕES.

NÃO SOIS INOCENTES DIANTE DE VOSSAS OMISSÕES.

“Calar, jamais! Gritai em cem mil línguas! Vejo que, por ter alguém calado, o mundo se arruinou e a santa igreja encontra-se pálida, sem cor, sem sangue nas veias”-(Santa Catarina de Sena).

Disse São Pedro Canísio, no livro “Confissões”, página 118: “Por fim, acrescentarei algo sobre o encargo de ensinar, sobremaneira familiar aos homens de hoje. Agora, talvez mais do que nunca, a maior das necessidades é a de termos doutores que proclamem a verdadeira fé católica com grande zelo e invencível constância, que inculquem a sã doutrina num povo desejoso de novidades nocivas.Vivemos em um tempo, em que, no dizer do apóstolo: “Os homens não aceitam mais a sã doutrina, mas, excitados, preferem não a salvação, mas o agrado, seguem seitas de perdição, defendem a licenciosidade da carne em vez da liberdade evangélica”, finalizou o santo. A fé não se negocia. Esta tentação sempre existiu na história do povo de Deus: cortar um pedaço da fé, ainda que não seja muito. Mas a fé é assim, tal como a recitamos no Credo. É necessário superar a tentação de fazer o que todos fazem, não ser tão, tão rígidos, porque precisamente daí começa um caminho que acaba na apostasia. De fato, quando começamos a destroçar a fé, a negociá-la, a vendê-la à melhor oferta, começamos o caminho da apostasia, da não fidelidade ao Senhor. O heroísmo é uma categoria social antiga. Considera-se herói, segundo a definição de Paul Johnson, aquele cuja vontade se sobrepõe à opinião pública, agindo com coragem e decisão, mesmo nas situações mais adversas; independentemente das consequências. A fé dos cristãos é colocada à prova: o perigo do respeito humano e do pensamento politicamente correto. Uma lição antiga, diz que “a fraqueza se contrapõe mais à virtude do que ao vício”. Era com esta frase que o Papa Pio XI  respondia àqueles que o achavam muito severo, “de pulso muito firme”. Em nosso tempo, em que a pusilanimidade parece ser a regra e prevalecer, mesmo em matérias de importância vital para a vida do homem e da Igreja, é conduta comum, nunca foi tão necessário falar da virtude da fortaleza. Ao contrário do que se poderia pensar, corajoso e forte não é quem não tem medo. O medo faz parte da natureza humana, e dirigido às coisas certas, pode ser bastante vantajoso, inclusive para a vida espiritual. O temor do Senhor, que o autor sagrado diz ser “o princípio da sabedoria” (pr 9, 10), é consequência direta do verdadeiro amor que devemos a Deus: se verdadeiramente o amamos, também tememos perder a sua amizade, a sua presença em nossa alma. Já que, como lembra Santo Afonso Maria de Ligório, doutor da Igreja: “a vida presente é uma guerra contínua com o inferno, na qual corremos, a cada instante, o perigo de perder a Deus”. Ele nos concede a virtude da fortaleza, que ordena os nossos medos e nos ajuda a dizer “não” ao mal e ao pecado. O que faz o politicamente correto, por outro lado? Dirige o medo que deveria ter de ofender Jesus aos afetos humanos, teme antes a inimizade dos homens que a de Deus, transforma o “temor do Senhor” em “temor do mundo”. Esta ética frívola condenada por tantos de nossos contemporâneos é análoga àquela atitude que os cristãos chamam de respeito humano. O medo maior desta pessoa é perder o prestígio da opinião pública, dos seus fãs; ela é torturada a todo instante imaginando o que as pessoas vão pensar dela. Na hora do martírio, de entregar sua vida, ela desiste covardemente. Somente a pessoa que fica irada sem razão, peca. Quem quer que fique irado por uma razão justa não é culpado. Porque, se faltasse a ira, a ciência de Deus não teria andamento, os julgamentos não seriam acertados, e os crimes não seriam reprimidos. Diz São João Crisóstomo: “ademais, a pessoa que não fica irada quando deveria estar, peca. Pois uma paciência excessiva é o viveiro de muitos vícios: ela fomenta a negligência, e estimula não apenas o perverso, mas acima de todo o bem, a fazer o errado.”

Papa Pio XII, disse em discurso ao povo de Roma, de 20 de fevereiro de 1949, acta apostolicæ sedis, n.º 41, 1949, p. 74): “…uma Igreja que se calasse quando ela tem o dever de falar; uma Igreja que edulcorasse a lei de Deus, adaptando-a ao gosto das vontades humanas, quando ela é obrigada a altissonantemente proclamá-la e defendê-la; uma Igreja que se destacasse do fundamento inabalável sobre o qual a edificou Cristo, para instalar-se comodamente sobre a areia movediça das opiniões do dia ou para abandonar-se à corrente que passa…diletos filhos e filhas! Herdeiros espirituais de uma legião incontável de confessores e de mártires! Seria essa a Igreja que venerais e amais? Vós reconheceríeis numa tal Igreja os traços do rosto de Vossa Mãe? Poderíeis imaginar um sucessor do primeiro Pedro que se dobrasse a semelhantes exigências? ”.

A soma de virtudes e espírito de martírio e sacrifício, deu origem a uma grande quantidade de mulheres e homens santos, cujo principal combate era a conquista do céu.  A Igreja não se pode eximir do dever de proclamar Cristo e o seu evangelho como verdade salvífica, fonte da nossa felicidade última como indivíduos, e como fundamento de uma sociedade justa e humana. Mesmo que nos persigam, não podemos nos calar. Mesmo que nos ridicularizem, não podemos deixar de pregar com parresía, com franqueza e coragem. Em um mundo onde tantos advogam, ainda que de modo subliminar, uma cultura politicamente correta, baseada em categorias humanas, somos chamados a outra retidão: àquela que tem sua base nas palavras de Cristo e no Magistério da sua Igreja. As ocasiões para testemunhar a fé são muitas e Deus sempre nos auxilia com sua graça, para tomarmos a decisão correta. É verdade o que disse Orígenes: “o cristão, depois de uma tentação, ou sai idólatra ou sai mártir”.

Com a severidade própria dos santos, São João Maria Vianney combateu até à morte os insultos a Deus. A santidade de João Maria Vianney causava constrangimentos. Apegado desde cedo à oração, agia em tudo conforme à vontade divina, fazendo de sua vida um perpétuo louvor a Deus. Tinha um fervor imensurável. Passava horas à frente do sacrário, gastando-se em severas penitências e na meditação dos santos mistérios. Dizia o santo: “o meu terço vale mais que mil sermões”. Por isso, não poupou esforços no combate às blasfêmias e à libertinagem. Era o zelo pela casa do pai que o consumia. Sem fazer concessões, apressou-se em instruir os mais novos na catequese e nas práticas piedosas. Começava uma guerra sem tréguas, e o santo não iria recuar enquanto não visse a sua paróquia, de joelhos, diante do Senhor.  A santa intransigência de Vianney tinha um motivo igualmente santo: ele amava a seus paroquianos com amor de predileção. Por isso faria tudo que estivesse a seu alcance para lhes assegurar a salvação eterna. E seus esforços foram recompensados. Após poucos anos de ministério, Ars não era mais Ars. O povo havia se convertido, já não se trabalhava mais aos domingos e a igreja permanecia sempre cheia. Vencera a santidade do pobre cura d’Ars. Os paroquianos compreenderam o que há tanto lhes ensinava o são cura d’Ars: “tão grande é o amor de Deus, é um fogo que queima na alma sem, contudo, a consumir. Ter Jesus no coração é já possuir o céu”.

Mas ainda há espaço no mundo de hoje para o heroísmo cristão? Aparentemente, não! A sociedade moderna carece de autênticas figuras heroicas, porque a virtude saiu de moda. O heroísmo foi substituído pelo mau caratismo, pela parvoíce de alguns celerados, que acham que fazem muito gritando algumas frases de efeito em frente a uma repartição pública ou coisa do gênero. O rosto estampado de um assassino como Che Guevara na camisa de um adolescente demonstra o vazio – tanto moral, quanto intelectual – desta civilização. Mais do que nunca, o mundo precisa de vidas limpas, de almas claras, de inteligências simples, que estejam dispostas a renunciar às ideologias, apoiando-se firmemente na providência divina, para empenhar mutuamente as suas vidas, suas fortunas e a sagrada honra pela santidade cristã. O Reino de Deus é dos violentos, por isso, o cristão pode viver com a segurança de que, se tiver desejos de lutar, Deus o pegará pela mão direita.  É na cruz que nascem os mártires, é no céu que habitam os santos!

 

Equipe Padre Rodrigo Maria

Deslize para ver mais...

Veja Também:

Ateísmo e suas causas – por Antonio Royo Marín, O.P.
Ateísmo e suas causas – por Antonio Royo Marín, O.P.

1. Noção e divisão O ateísmo consiste na negação radical da existência de Deus. Ateu (do grego ἄθεος = sem Deus) é o sujeito que ignora ou se nega a aceitar a existência do Ser Supremo e que, por isso, não pratica religião alguma. Existem duas classes de ateus: teóricos e práticos. a) TEÓRICOS são

A Intercessão da Virgem Maria é necessária para nossa Salvação.
A Intercessão da Virgem Maria é necessária para nossa Salvação.

(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({}); A Santíssima Virgem é co-redentora da Humanidade, e por isso é necessária a intercessão dela para a salvação de sua alma. A intercessão de Maria Santíssima é necessária para a nossa Salvação. Por quê? Veja aqui: Uma sentença de São Bernardo diz: Cooperam para nossa ruína um homem e uma mulher. Convinha, pois, que outro homem e outra mulher cooperassem para a nossa reparação. E estes foram Jesus e Maria, sua Mãe. Não há dúvida, diz o Santo, Jesus Cristo, só, foi suficientíssimo para remir-nos. Mas conveniente era, entretanto, que para nossa reparação servissem ambos os sexos, assim como haviam cooperado ambos para a nossa ruína.

A ILUSÃO DE NÃO MATAR E ROUBAR
A ILUSÃO DE NÃO MATAR E ROUBAR

Quantos de nós ao tocar em assuntos da sagrada religião com alguns de nossos amigos católicos não fomos alvejados por uma emaranhado de frases relativistas que, de certa forma, até nos ofendem… Mas por que, afinal de contas, é tão ofensivo ser católico de verdade, querer viver na graça de Deus e fazer um mínimo

A BUSCA PELO SUCESSO E A RENÚNCIA DE SI MESMO
A BUSCA PELO SUCESSO E A RENÚNCIA DE SI MESMO

Os primeiros Padres da Igreja – falo do século terceiro, mais ou menos ano 200, 300 – diziam uma palavra forte: ‘O dinheiro é o esterco do diabo’. Porque nos faz idolatrar e adoece a nossa mente com o orgulho, e nos torna maníacos de questões ociosas que nos afasta da fé e corrompe. Não

A diferença entre Catolicismo e Espiritismo
A diferença entre Catolicismo e Espiritismo

Pode um cristão ser espírita ou umbandista? O espiritismo nega 40 verdades essenciais da doutrina cristã; ensina reencarnação; afirma a aparição dos espíritos do além, evocados pelos médiuns, e ensina muitas outras heresias opostas à doutrina cristã, negando principalmente o poder salvador de Jesus Cristo. Falando mesmo de Santos, de caridade, de oração e boas

NÃO SOIS INOCENTES DIANTE DE VOSSAS OMISSÕES.
NÃO SOIS INOCENTES DIANTE DE VOSSAS OMISSÕES.

(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({}); “Calar, jamais! Gritai em cem mil línguas! Vejo que, por ter alguém calado, o mundo se arruinou e a santa igreja encontra-se pálida, sem cor, sem sangue nas veias”-(Santa Catarina de Sena). Disse São Pedro Canísio, no livro “Confissões”, página 118: “Por fim, acrescentarei algo sobre o encargo de ensinar, sobremaneira familiar aos homens de hoje. Agora, talvez mais do que nunca, a maior das necessidades é a de termos doutores que proclamem a verdadeira fé católica com grande zelo e invencível constância, que inculquem a sã doutrina num povo desejoso de novidades nocivas.

MEDITAÇÕES QUARESMAIS | Roteiro de meditações e dicas de vida espiritual
MEDITAÇÕES QUARESMAIS | Roteiro de meditações e dicas de vida espiritual

Estas meditações nos apresentam algumas dicas sobre como vivenciar melhor o tempo quaresmal. Durante algumas semanas da Quaresma será oferecido um roteiro de meditações e dicas de vida espiritual para que possamos tirar maior proveito deste tempo tão importante para a Santa Igreja. Quarta-Feira de Cinzas: QUARESMA – Tempo de Jejum e Penitência Primeira Semana:

LEIA ONLINE: CATECISMO ESSENCIAL | Leitura obrigatória a todos os Católicos
LEIA ONLINE: CATECISMO ESSENCIAL | Leitura obrigatória a todos os Católicos

Catecismo Essencial Aguarde até o carregamento da página ser concluído completamente, pode demorar um pouco, ou então, clique aqui para baixar a versão em PDF (Clique com o botão direito do mouse, e escolha a opção “Salvar Como…” ou “salvar link como…”) É possível melhorar a navegação clicando sobre a imagem e, caso necessário, também é

Indulgências Plenárias para o Dia de Finados
Indulgências Plenárias para o Dia de Finados

Indulgências Plenárias para o Dia de Finados Ao fiel que visitar devotamente um cemitério e rezar, mesmo em espírito, pelos defuntos, concede-se indulgências aplicável às almas do Purgatório. Esta indulgência será plenária (cumprindo as 4 condições), cada dia, de 01 a 08 de novembro; nos outros dias do ano será parcial; Como fazer para adquirir

O amor que devemos ter pela cruz de Jesus.
O amor que devemos ter pela cruz de Jesus.

A tentação de apresentar um cristianismo sem cruz revela-se, aos poucos, decepcionante, porque é somente na cruz que se descobre o amor de Deus. A cruz possui um significado inegociável para o cristianismo. É somente por meio do Cristo crucificado que se pode compreender “o poder de Deus” – (1Cor 1, 24) e a sua ação salvífica