Santo do Dia – 19 de Junho – Santa Juliana Falconieri

Santo do Dia – 19 de Junho – Santa Juliana Falconieri

SANTO DO DIA -19 DE JUNHO – SANTA JULIANA FALCONIERI
Fundadora da Congregação das Servas de Maria (1270-1341)

Santa Juliana Falconieri Rebeca Venturini/FC
Juliana nasceu em Florença no ano de 1270. Era filha única do já idoso casal Caríssimo e Ricordata, da riquíssima dinastia dos Falconieri. De grande tradição na aristocracia, bem como no clero, a família contribuiu ao longo do tempo com muitos santos venerados nos altares da Igreja. Ela era sobrinha de santo Aleixo Falconieri, um dos sete fundadores da Ordem dos Servos de Maria, e como ele também trilhou o caminho para a santidade.

Ainda criança, vivia com o coração dedicado às virtudes, longe das ambições terrenas e das vaidades. Junto com algumas amigas, em vez das brincadeiras típicas da idade, preferia cantar e rezar para o Menino Jesus e a Virgem Maria.

Aos quinze anos de idade, fez voto de castidade, ingressando na Ordem das Servitas, sob a orientação de Filipe Benício, hoje santo. Foi seguida por suas amigas aristocratas e, com o apoio de religiosas, passaram a visitar hospitais e a desenvolver dezenas de obras de caridade e assistenciais. Essas jovens se organizaram de tal forma que logo optaram por ter sua própria instituição. Com inspiração em regras escritas por Juliana, fundaram a Congregação das Servas de Maria, também chamadas de ‘Mantellate’, numa referência ao hábito que vestem. Ordem que obteve a aprovação canônica em 1304.

A dedicação de Juliana foi tão radical ao trabalho junto aos pobres e doente, às orações contemplativas e às severas penitências que acabou por adoecer. Mesmo assim, continuou dormindo no chão e fazendo os jejuns a que se tinha proposto. Por isso os problemas estomacais surgiram, passaram a ser frequentes e depois se tornaram crônicos, padecendo de fortes dores.

Apesar disso, não diminuiu as penitências, nem mesmo o trabalho com seus pobres e doentes abandonados. Aos setenta anos, o problema gástrico era tão grave que não conseguia manter nenhum alimento no estômago. Nem mesmo a hóstia.

No dia 10 de junho de 1341, poucos momentos antes de morrer, Juliana pediu ao sacerdote que colocasse uma hóstia sobre seu peito e, pronunciando as palavras: ‘Meu doce Jesus’, ingressou no Reino de Deus.

Ao prepararem o corpo para ser sepultado, as irmãs constataram no seu peito uma mancha roxa, como se fosse uma hóstia impressa na sua carne, tendo no centro a imagem de Jesus crucificado. Em memória desse milagre, as irmãs ‘Mantellate’ trazem sobre o lado esquerdo do escapulário a imagem de uma hóstia.

Canonizada em 1737 pelo papa Clemente XII, santa Juliana Falconieri é celebrada no dia de sua morte.

santo-do-dia-junho-19-santa-juliana-falconieri2

Na cidade de Florença havia dois irmãos, nobres e ricos, Caríssimo e Aléssio Falconieri; exerciam o comércio como a maior parte das mais ilustres famílias de Florença e de outras cidades da Itália. O bem-aventurado Aléssio Falconieri tinha devoção particular pela Mãe de Deus.Foi um dos sete comerciantes de Florença, todos bem-aventurados, que, com São Felipe Beniti, seu compatriota, fundaram a ordem dos Servitas. Chama-se servitas pessoas religiosas que se consagram ao serviço de Deus sob a proteção especial da Santa Virgem. Caríssimo Falconieri, avançando em idade, impressionou-se com o exemplo e as exortações do piedoso irmão.

Passando uma acurada revista na vida, muito se inquietou com a possibilidade de ter adquirido algo por vias injustas. Pediu esclarecimentos a Deus, fez restituições e esmolas. Enfim, em 1263, suplicou ao Papa Urbano IV lhe concedesse uma absolvição geral por todos os erros que poderia ter cometido sem saber. O soberano Pontífice concedeu-lha sob certas condições, que Caríssimo cumpriu com zelo.

Além das restituições e das esmolas, mandou construir em Florença uma igreja da Anunciação que, pela riqueza e beleza de arquitetura, é ainda hoje considerada uma maravilha. Foi recompensado de mais de uma maneira. Era já velho, quando lhe nasceu uma filha, que foi Santa Juliana Falconieri. Era pelo ano de 1270: a alegria foi grande para toda a família.

Juliana perdeu o pai pouco depois; apenas se lembrava de tê-lo visto. Mais tempo conservou o bem-aventurado tio Aléssio, que foi seu pai na piedade. As primeiras palavras que Juliana aprendeu a balbuciar foram os nomes de Jesus e Maria. Pronunciava-as tão freqüentemente, que a ama muito se admirava, e sua piedosa mãe a via com alegria.

O bem-venturado Aléssio dizia à cunhada que ela havia dado à luz não uma menina, mas um anjo, À medida que crescia, Juliana ocupava-se muito mais nos exercícios de devoção que lhe ensinava o santo tio, do que nos afazeres das mulheres, a que sua mãe se empenhava por habituá-la. Em lugar de manejar as agulhas e o fuso, construía pequenos altares, lia livros de piedade, cantava louvores da santa Virgem, recitava orações. Sua mãe com ela ralhava por vezes, dizendo que não sabia manter um ofício e dificilmente encontraria um marido. Juliana contentava-se em responder: Quando vier o tempo, a santa Virgem providenciará.

Como se tornasse muito bela com o correr dos anos, e virtuosa, a mãe alimentava dia por dia maiores esperanças em vê-la encontrar um dos mais honrosos partidos; já falava disso com o pessoal da casa. Mas Juliana tinha pensamentos inteiramente outros. De acordo com as inspirações do santo tio, havia resolvido guardar a virgindade, e consagrar-se ao serviço da Santa Virgem. Eis porque, nada obstante as exortações de sua mãe, nada obstante as carícias da família e do mundo, ligou-se pelo voto de continência, pronta a renunciar ao mundo e à família, para seguir Jesus Cristo pobre, desde que obtivesse permissão.

Completados, pois, seus dezesseis anos, recebeu das mãos de São Felipi Beniti o hábito da ordem terceira dos servitas. Meditou piedosamente nos mistérios durante o ano de provação. A túnica negra representava-lhe a trsiteza de Maria sobre o Calvário, e a grandeza de seu martírio entre os sofrimentos do filho: a cintura de pele representava-lhe a pele do Salvador dilacerada pelos açoites, pelos pregos e pela lança; o véu branco a pureza da Virgem; a coroa os louvores que lhe foram rendidos pelo arcanjo. O livro lhe sugeria as meditações sobre a paixão de Jesus Cristo; o manto lhe recordava a proteção da mão de Deus, a quem se rejubilava em pertencer; o círio esta lâmpada acesa que devia trazer pronta, como virgem prudente, para ir ao encontro do esposo. Meditando assim sobre o seu piedoso hábito, Juliana foi uma edificação constante para a mãe, a família e todas as irmãs. No ano seguinte, 1285, fez profissão diante de São Filipe, que morreu pouco após.

A lembrança desse santo homem despertava nela de dia para dia, maior desejo de perfeição. Continuou junto de sua mãe, mas aumento muito as austeridades precedentes. Nas quartas e sextas-feiras tomava por alimento apenas a santa comunhão. Jejuava ainda no sábado, a pão e água, em honra da Virgem Santa, em cujas sete dores meditava. Empregava as sextas-feiras na meditação da paixão do Salvador. Para tornar-se semelhante a ele, macerava a carne até o sangue, com rudes disciplinas. Muitas vezes foi arrebatada em êxtases, pelo veemente desejo de ser crucificada com Jesus sofredor. À sua morte encontraram-lhe uma cintura de ferro sobre os rins e tão fundo tinha penetrado na carne, que não puderam retirá-la sem lesar o corpo; isso faz crer que ela a carregasse desde a juventude. Seu tio, o bem-aventurado Aléssio Falconieri, dava-lhe o exemplo; recusou sempre ser promovido nas ordens sacras, e permaneceu a vida inteira na ordem leiga, dedicando-se aos mais humildes misteres, e mendigando todos os dias o pão para os irmãos. Da mesma maneira a sobrinha, em lugar de viver nobremente de seus bens, preferia ganhar a vida com o trabalho das mãos e partilhar o lucro com as irmãs. Imitou principalmente Filipe Beniti, no zelo pela conversão das almas.

Com a morte da mãe, entrou no convento de syas irmãs da ordem terceira, e atraiu para lá várias nobres jovens de Florença. Em 1316, foi mister dar a esta casa uma regra definitiva e uma superiora. Juliana foi eleita prioresa por unanimidade. Recusou por longo tempo, julgando-se incapaz e indigna, e acabou aceitando por lembrar-se das palavras de São Filipe Beniti, que lhe recomendara a congregação nascente, como prevendo que ela seria, um dia, a segunda fundadora. Foi-o menos pela autoridade do que pelo exemplo. A longevidade era como que um privilégio hereditário na família; seu tio, o bem-aventurado Aléssio, tinha cento e dez anos quando morreu, em 17 de Fevereiro de 1310. Se Juliana não ultrapassoui os setenta, deve-se atribuir o fato às grandes austeridades. As religiosos da ordem terceira dos servitas devotavam´se particularmente ao serviço dos enfermos e a outras obras de caridade. Juliana sofreu também longa e penosa enfermidade, que suportou com paciência inalterável. Um vômito contínuo não permitia lhe administrassem o santo viático nos últimos momentos.

O Salvador dignou-se fazer um prodígio para unir-se à esposa: a santa hóstia, colocada sobre o seu coração, desapareceu subitamente. No mesmo instante ela faleceu. Era no dia 19 de Junho de 1340. A verdade de diversos milagres, operados por sua intercessão, foram juridicamente provados, e Bento XIII beatificou-a em 1729 e Clemente XII terminou o processo de canonização. (Vida dos Santos, Padre Rohrbacher, Volume XI. p. 42 à 46)

Sua vida não foi senão uma entrega pressurosa nas mãos de quem tanto amava, Jesus e Maria, sendo recompensada com a plenitude do amor divino.

santo-do-dia-junho-19-santa-juliana-falconieri3

Pressa é uma palavra que a cada dia está mais presente na vida de todos. Quanto mais se acelera o ritmo de vida, menos se tem tempo para fazer as coisas. Ver pessoas apressadas é o comum em nosso cotidiano. Tem-se pressa para chegar ao trabalho, pressa para retornar a casa, pressa para não faltar a um compromisso, pressa, pressa, pressa… Sem dúvida, sempre atrás dos interesses pessoais!

Pressa é o que se encontra também na vida de uma dama oriunda de ilustre família da república florentina: Juliana Falconieri. No entanto, desta vez, os interesses são outros…

Uma nobre e piedosa família de Florença

Naqueles idos anos do século XIII, Florença tornara-se uma das maiores maravilhas da Itália, pela beleza de sua arquitetura, o rico comércio nela desenvolvido e o valor dos tecidos, pinturas e demais obras de arte ali produzidas.

Tais maravilhas, porém, não conseguiam satisfazer os anseios de sete prósperos comerciantes da cidade, que buscavam um tesouro muito mais precioso. Para obtê-lo, decidiram dedicar-se ao serviço da mais alta das soberanas: Maria Santíssima. E tanto os uniu e elevou este sublime exercício que, deixando na penumbra seus respectivos nomes de família, passaram eles para a História como os Sete Santos Fundadores da Ordem dos Servos de Maria, os servitas.

Caríssimo Falconieri, pai de Juliana, conhecia-os de perto, pois um deles era seu irmão Aleixo. Abastado e bem-sucedido, aquele não era indiferente à exemplar piedade deste. Passou Caríssimo por um estado de conversão e teve escrúpulos de haver sido desonesto em algum de seus negócios, pelo que, como eventual reparação, deu muitas esmolas. Financiou também a construção de uma igreja em louvor de Nossa Senhora da Anunciação, em cujo interior haveriam de repousar seus restos, sob o epitáfio: “Sepulcro do próvido varão, o senhor Caríssimo de Falconieri, que para remédio de sua alma fez alicerçar, edificar e concluir esta Igreja em louvor de Deus e da Bem-Aventurada e gloriosa Virgem”.

A atitude modelar do aristocrata florentino marcou de forma decisiva outro membro desta abençoada família: a própria filha, que lhe fora concedida pela Providência em 1270, quando ele e sua esposa estavam já em idade avançada.

Alma cheia de grandes e pressurosos desejos

Havendo perdido o piedoso pai quando muito pequena, Juliana sujeitou-se com agrado à influência de seu tio religioso, cuja longa vida de humildade, dedicação e entrega a tocavam mais a fundo do que a caritativa generosidade do progenitor. Aleixo, por sua parte, reconhecendo a bênção incomum que pairava sobre sua sobrinha, fazia notar à cunhada que não havia dado à luz uma menina, mas um “anjo”…

Com a alma sempre voltada para as realidades superiores, a pequena progredia com rapidez nas vias da virtude. Desprezava os prazeres fúteis, os adornos extravagantes, os trajes da moda e os vistosos penteados. Não perdia um instante sequer de seu tempo contemplando-se no espelho; empregava-o em práticas mais valiosas, como orações, leituras espirituais e cânticos de salmos em louvor a Deus e sua Mãe Santíssima.

Aos 14 anos, seus muitos dotes naturais e espirituais levaram os familiares a lhe procurarem um futuro brilhante. Dentre os muitos moços de sua geração desejosos de desposá-la, os olhos de sua progenitora fixaram-se em Falco, um cavaleiro de boas posses e distinta família. Vendo a afeição do rapaz por ela, a mãe tentava persuadi-la a aceitar tão bom partido, almejando concluir logo aquela aliança.

Contudo, Juliana também tinha pressa de ver realizadas suas aspirações. Quais eram elas? Estudos? Fama? Matrimônio?
Não, em sua alma ardia outro anelo: o de entregar-se, dar-se, custasse o que custasse. Tinha pressa de retribuir a Deus tudo quanto havia recebido, de consagrar-se a Ele, de meditar em suas dores e de sofrer por Ele! Sofrer? Sim, porque para as almas retas a oblação é uma bela maneira de manifestar a gratidão a Deus e retribuir-Lhe seu amor. Quem tem pânico de imolar-se está num estado de alma incompatível com o amor.

Consagrada a Deus com apenas 14 anos

Em 1284, resistindo aos insistentes pedidos e às lágrimas maternas, fez o voto de virgindade. Dócil aos conselhos do tio e admirada por sua conduta, pedia ela para também fazer parte dos servitas.

À época, já era São Filipe Benício o superior geral da ordem. Sob sua direção, ela se havia propagado por toda a península italiana e para além de suas fronteiras. Havia-se criado, ademais, debaixo de sua influência, um grupo de damas que daria origem às religiosas terciárias da Ordem dos Servitas. Entre elas contava-se uma prima de Juliana, chamada Joana, e uma irmã do próprio São Filipe. Elas se tornaram conhecidas pelo nome de mantellate, devido ao amplo véu negro – em italiano, mantello – que lhes cobria o hábito e descia quase até os joelhos.

Não tardou o superior em discernir nas súplicas daquela adolescente um especial desígnio da Providência. A pressa de entregar-se a Deus com tão pouca idade era sinal de grande vocação e São Filipe acedeu a seu pedido, concedendo-lhe o mantello.

Estar revestida de um tecido de lã rústica, símbolo dos tormentos padecidos por Cristo e sua Mãe Santíssima, constituiu um imenso gáudio para Juliana. Não obstante, maior foi sua compenetração da necessidade de levar uma vida quase monástica, apesar de ainda seguir morando em sua residência.

Penitências e jejuns passaram a ser um meio de sofrer por Cristo e com Cristo: às quartas e sextas-feiras não se alimentava a não ser da Sagrada Eucaristia; aos sábados, apesar de consentir em tomar um pouco de pão e água, castigava seu corpo com cilícios, cadeias de ferros e outros instrumentos usados para este fim, os quais só foram encontrados após sua morte.
Aumentando cada vez mais suas orações, permanecia pouco tempo em casa e muito na igreja, absorta em contemplação, junto à imagem da Virgem com seu Filho crucificado.

Configurar-se com o espírito de São Filipe Benício

Depois de admitir Juliana na ordem, São Filipe Benício permaneceu mais um tempo em Florença, confirmando quanto a pressa dela de entregar-se tão jovem correspondia ao que parecia ser uma pressa de Deus por cumulá-la de graças. Pôde o Santo comprovar pessoalmente, então, as maravilhas de virtude que o Altíssimo colocava naquela alma privilegiada, e Juliana via nele o caminho que a conduzia a Deus, constituindo-o seu modelo e seu guia. Entre a discípula e o mestre criou-se um relacionamento repleto de admiração, numa inteira confiança recíproca.

Após a partida de São Filipe para o Céu, ela se propôs a imitá-lo com todas as forças de sua alma, seguindo com empenho os conselhos que dele recebera, guardados como um tesouro em seu coração. O mesmo fervor que a levara a pedir o hábito, a impulsionava agora a configurar-se com o espírito e a mentalidade do Santo. Na alma deste varão, ela via representado todo o ideal da instituição dos servitas.

Não tardaram a juntar-se a ela várias outras mantellate que, progredindo muito na vida espiritual, desejavam abraçar uma via de maior perfeição. Algumas delas – Beata Joana Soderini, Beata Subilia Palmieri, Beata Francisca Cammilli, Beatas Agnesa e Angela Uguccioni, Beata Rosa de Siena – seriam elevadas à honra dos altares. Até a própria mãe de Juliana se sentiu entusiasmada a seguir seus passos.

Estruturação de um ramo feminino servita

Em nada Juliana decepcionava suas discípulas. A pressa em praticar atos de amor crescia dia a dia em sua alma, dando azo a novas mortificações: flagelava-se com frequência, concedia ao descanso brevíssimo tempo e dormia sobre o chão duro.

Quando sua mãe entregou a alma a Deus, nossa Santa resolveu – com o consentimento do segundo sucessor de São Filipe Benício, André del Borgo do Santo Sepulcro – passar a viver em regime conventual, com suas seguidoras. Começava a se constituir por suas mãos um novo gênero de vida religiosa, que teria sua aprovação definitiva, enquanto congregação, no século seguinte, com uma bula do Papa Martinho V. E em 1718 a Sagrada Congregação dos Ritos, no decreto de autorização do Ofício de Santa Juliana, a declara fundadora deste ramo feminino: “Fundatricis Sororum B. M. V.”.2

Suas irmãs de vocação a tinham, de fato, como superiora, tanto por ter sido uma das primeiras a receber o hábito como por suas virtudes. Considerando-se, todavia, a última entre todas, a Santa surpreendeu-se ao ouvir a unânime voz das religiosas: “Juliana seja a nossa guia, Juliana, a nossa mestra; a Juliana, a quem obedecemos até agora com tácito consenso, desejamos doravante obedecer expressamente como nossa priora”.3 Prostrada em terra e com lágrimas, tentava ela ver-se livre da nomeação, lembrando a todas as suas insuficiências. Mas o superior geral, sem dar-lhe ouvidos, a incitou a aceitar o cargo e ela se submeteu, vendo na vontade dele, a de Deus.

Apesar de não faltar ardor e zelo na comunidade nascente, era necessário preparar uma regra que ajudasse as religiosas a estruturar suas vidas em função do ideal da fundação. Julgando ter chegado o momento oportuno para redigir o regulamento das novas irmãs, Juliana pôs mãos à obra, aconselhando-se com seu santo tio, Aleixo Falconieri, que ainda vivia.

Amor primaveril intensificado pela observância da regra

Uma vez tendo entrado em vigor a regra, ela mesma pôs-se a observá-la com a maior exatidão, governando a comunidade com singular prudência. Sabia que a dupla condição de fundadora e superiora em nada a isentava desta observância. ­Pelo contrário, dela exigia um exemplo de maior fidelidade. Movida por tão poderoso estímulo, toda a comunidade tornou-se um modelo de retidão de costumes para toda a cidade de Florença.

O amor primaveril de Juliana em nada diminuíra com a regra, inclusive se intensificara com o cumprimento dela. Tornou-se frequente que de seus lábios saísse esta exclamação: “ninguém tira de meu coração o meu amor Crucificado!”.4 Fruto deste amor era um vivíssimo ódio ao pecado. Só com ouvir pronunciar esta palavra sentia um enorme horror; certa vez chegou a cair sem sentidos ao ser-lhe narrado o relato de uma ofensa feita a Deus.

E não faltaram em sua vida as obras de caridade: empregava muito tempo em cuidar dos doentes nos hospitais e distribuiu entre os pobres, com alegria, as muitas riquezas de sua família.

Amor em resposta ao amor

Uma existência inteira consumida na pressa de sofrer para dar provas de amor não podia ficar sem resposta da parte de Deus, e Ele reservou para o fim de seu percurso terreno a maior demonstração do divino amor.

No ano de 1341, encontrava-se Juliana em grave estado de saúde. Seu estômago, debilitado por tantas penitências, já não retinha os alimentos. Os médicos declararam-se impotentes ante o avanço da enfermidade e anunciaram estar próxima sua partida deste mundo. Sem interromper o colóquio com o Anjo da Guarda e a meditação acerca das dores da Virgem Santíssima, em cuja honra tomara o hábito, Juliana permanecia com os olhos fixos no Crucificado. As horas que ainda lhe restavam pareciam longas, por sua enorme ânsia de estar definitivamente com Ele.

Algo, entretanto, a fazia sofrer sobremaneira: já não podia receber o Pão Sagrado, o qual fora o principal sustento de sua vida e havia sido praticamente seu único alimento naqueles últimos dias. Desconsolada, durante a Unção dos Enfermos, Juliana pedia ao sacerdote que pelo menos lhe permitisse oscular a Sagrada Hóstia. Não sendo atendida, rogou com lágrimas que, então, ele consentisse em aproximá-la ao máximo e a depositasse em seu peito.

Vendo a caridade ardente com que aquela súplica era feita, o ministro de Deus decidiu conceder-lhe esta derradeira graça. Estendeu-lhe no peito virginal um véu e sobre ele o corporal, e neste depositou a Forma Consagrada. Tomando um pouco de fôlego, conseguiu ela dizer: “Ó meu doce Jesus”. E expirou! Para a admiração de todos que a rodeavam, a Sagrada Hóstia desaparecera.

As religiosas, porém, logo viram esclarecido o maravilhoso fenômeno. Ao prepararem para o sepultamento o castíssimo corpo de sua fundadora, constataram, cheias de enlevo, a marca da Sagrada Hóstia impressa em seu peito: penetrando os tecidos e até as carnes de Juliana, Jesus entrara em seu coração para atender as últimas aspirações de quem tanto O amara. Deixava patente, assim, o quanto a plenitude do amor divino ultrapassava a pressa de amá-Lo que abrasara o coração da Santa durante toda a sua vida. (Revista Arautos do Evangelho, Julho/2016, n. 174, pp. 34 a 37)

Deslize para ver mais...

Veja Também:

2017: ANO DO GRANDE CONFRONTO ENTRE A MULHER E A SERPENTE
2017: ANO DO GRANDE CONFRONTO ENTRE A MULHER E A SERPENTE

2017: ANO DO GRANDE CONFRONTO ENTRE A MULHER E A SERPENTE Em 2017, o embate entre a serpente e a Mulher se tornará mais intenso. O Inferno está em festa e o Céu também. A inimizade estabelecida pelo próprio Deus (Gênesis 3,15) entre a serpente e a mulher e entre a descendência desta e daquela

SERVIÇO DE UTILIDADE PÚBLICA! AJUDE A SALVAR ALMAS! DOE SEUS MÉRITOS A NOSSA SENHORA. SEJA UM ESCRAVO POR AMOR  | Campanha: Doe Seu Méritos
SERVIÇO DE UTILIDADE PÚBLICA! AJUDE A SALVAR ALMAS! DOE SEUS MÉRITOS A NOSSA SENHORA. SEJA UM ESCRAVO POR AMOR | Campanha: Doe Seu Méritos

  SERVIÇO DE UTILIDADE PÚBLICA: Ajude a salvar almas! Doe seus Méritos a Nossa Senhora. Seja um Escravo por Amor! Aos combatentes que dedicam a vida lutando para estabelecer no mundo o Reinado de Nosso Senhor Jesus Cristo, sob o comando da Soberana Senhora. Caríssimos, A celebração dos 300 anos de São Luís de Montfort,

CAMPANHA CONTRA OS SACRILÉGIOS E PROFANAÇÕES AO SANTÍSSIMO SACRAMENTO
CAMPANHA CONTRA OS SACRILÉGIOS E PROFANAÇÕES AO SANTÍSSIMO SACRAMENTO

CAMPANHA CONTRA OS SACRILÉGIOS E PROFANAÇÕES AO SANTÍSSIMO SACRAMENTO #PelaComunhaoNaBoca Iniciemos uma grande campanha junto aos fiéis e também aos sacerdotes para honrar Nosso Senhor no Santíssimo Sacramento do Altar, incentivando a comunhão na boca e o tanto quanto possível, de joelhos. E dessa forma, possamos evitar muitos sacrilégios e roubos à Santíssima Eucaristia. Aconselhamos

COMO A REDE GLOBO E A ESQUERDA ESTÃO TRABALHANDO PARA DESTRUIR A FÉ CRISTÃ
COMO A REDE GLOBO E A ESQUERDA ESTÃO TRABALHANDO PARA DESTRUIR A FÉ CRISTÃ

COMO A REDE GLOBO E A ESQUERDA ESTÃO TRABALHANDO PARA DESTRUIR A FÉ CRISTÃ A décadas como líder absoluta de audiência, a Rede Globo, assim como todo o aparato de comunicação das Organizações Globo, vem trabalhando de modo incansável e sistemático para destruir os valores cristãos. Através de suas novelas, diversos programas e influenciadores de

PT E CRISTIANISMO: CASAMENTO IMPOSSÍVEL
PT E CRISTIANISMO: CASAMENTO IMPOSSÍVEL

Já faz algum tempo que o Partido dos Trabalhadores, o PT, tem mostrado com toda a clareza o que é, o que pensa, o que faz e o que pretende fazer. Quem possui a fé cristã, e conserva ainda que uma mínima capacidade de raciocínio, consegue perceber a total incompatibilidade entre cristianismo e petismo. Já

QUANDO A AUTORIDADE ESTÁ A SERVIÇO DA IMPIEDADE
QUANDO A AUTORIDADE ESTÁ A SERVIÇO DA IMPIEDADE

A medida em que o relativismo revolucionário avança no mundo e dentro da Igreja podemos constatar o crescente distanciamento entre o que se prega em boa parte de nossas paróquias e dioceses e o que a Igreja sempre ensinou em seu magistério infalível. A situação é verdadeira gritante, escandalosa, indignante… É muito entristecedor ver leigos

O QUE REALMENTE SIGNIFICA O APOIO E A BÊNÇÃO À EXPOSIÇÃO DA IMAGEM DE NOSSA SENHORA NO CARNAVAL?
O QUE REALMENTE SIGNIFICA O APOIO E A BÊNÇÃO À EXPOSIÇÃO DA IMAGEM DE NOSSA SENHORA NO CARNAVAL?

O QUE REALMENTE SIGNIFICA O APOIO E A BÊNÇÃO À EXPOSIÇÃO DA IMAGEM DE NOSSA SENHORA NO CARNAVAL? As muitas manifestações ocorridas em torno da polêmica ocasionada pelo apoio de autoridades católicas à exposição da imagem de Nossa Senhora na festa do carnaval deve-nos fazer dar conta da grande confusão e profunda desorientação em que

[VÍDEO] SOLENIDADE SANTA MARIA MÃE DE DEUS
[VÍDEO] SOLENIDADE SANTA MARIA MÃE DE DEUS

A Mulher, a Serpente e a Profecia Por que o diabo quis impedir que as pessoas conhecessem o tratado da Verdadeira Devoção à Santíssima Virgem? O Papa Bento XV classificou o “Tratado da Verdadeira Devoção à Santíssima Virgem”, escrito por São Luís Maria Grignion de Montfort, como um “livro da mais suave unção”. De fato,

A Santa Escravidão de Amor
A Santa Escravidão de Amor

A SANTA ESCRAVIDÃO DE AMOR A Santa Escravidão a Jesus por Maria é uma prática de devoção antiguíssima, remontando aos primeiros séculos da Igreja. Com o passar dos séculos, experimentou uma admirável evolução, no sentido que cada vez se compreendeu melhor o que esta prática significava no contexto da fé. Começando pela Espanha onde Nossa

AS OVELHAS DE DEUS TÊM-SE PERDIDO – MUITÍSSIMAS ALMAS TÊM IDO PARA O INFERNO
AS OVELHAS DE DEUS TÊM-SE PERDIDO – MUITÍSSIMAS ALMAS TÊM IDO PARA O INFERNO

As Ovelhas de Deus têm se perdido – Muitíssimas almas tem ido para o inferno “Meu povo se perde por falta de conhecimento” (Os 4:6) Clique abaixo para ouvir o Padre Rodrigo Maria: